Impressões Cromáticas do Vale – Salomão Zalcbergas

Data(s) e Horário(s): 08/01 às 16:00h, 09/01 às 16:00h, 10/01 às 16:00h, 11/01 às 16:00h, 12/01 às 15:00h, 15/01 às 16:00h, 16/01 às 16:00h, 17/01 às 16:00h, 18/01 às 16:00h, 19/01 às 15:00h, 22/01 às 16:00h, 23/01 às 16:00h, 24/01 às 16:00h, 25/01 às 16:00h, 26/01 às 15:00h, 29/01 às 16:00h, 30/01 às 16:00h, 31/01 às 16:00h

Local: Rua Gamboa de Cima 03, Centro (ao lado do Quartel dos Aflitos)

Preço: gratuito

Mais Informações

Artista plástico de vida e obra singulares, Salomão Zalcbergas volta mais uma vez a expor no Teatro Gamboa, desta vez com “Impressões Cromáticas do Vale”, onde faz um recorte de seu trabalho na Chapada Diamantina.

 

Uma das obras desta série “São Francisco entre o Céu e a Terra”, é o painel que assina a identidade visual da programação do Teatro Gamboa de janeiro 2020 (programa impresso, site e redes sociais). A criação remete a fé e religiosidade presentes no Vale do Capão-BA.

 

Esta coleção vem sendo marcada por belos contrastes cromáticos, na técnica acrílica sobre tela. Salomão tem se dedicado, nos últimos anos, aos temas regionais onde enaltece a figura do homem rural em seu ambiente bucólico, que remete à vida simples e poética do indivíduo em sua rotina.

 

“Ainda hoje, conversando com dois amigos agricultores, em meio à movimentação turística do Vale, eles ainda resistem: uns com carrinho de mão, outros com cavalos, burros, chapéu e jaleco de couro e, ainda, alguns com facão na cintura e enxada no ombro. Todos eles deparando-se com as novidades tecnológicas!”, diz Salomão. Para o artista, essa resistência pela manutenção dos princípios dos antigos nativos, mantém certa unidade familiar. “É esse ambiente que me instiga a resgatar essas valiosas memórias e tradições, que resistem, expressá-las em cores vibrantes, harmônicas e antagônicas”.

 

Luiz Salomão Zalcbergas é formado em Artes Plásticas pela Escola de Belas Artes da UFBA, Licenciatura em Desenho e foi docente em Artes em Escolas Públicas de Salvador e no município de Caeté-Açu. Nasceu em São Paulo, mas estabelecido na Bahia em 1960, desde a década de 80 reside entre Salvador e o Vale do Capão, onde seus murais, a céu aberto, são uma das grandes atrações e estão expostos permanentemente.

 

Classificação: livre

 

Ficha técnica

Fotografias: Yuri Zalcbergas

Produção local: ZSZ produções

Apoio Financeiro

Desenvolvido Por:

WebD2 Desenvolvimento Web